#4 antropocénico/ ecocrítica

ilustradora: Patricia Shim

Fordlândia Malaise

de Susana Sousa Dias

Filme sobre o presente e a memória de Fordlândia, uma company town fundada por Henry Ford na floresta amazónica em 1928, para escapar ao monopólio britânico da borracha. Hoje, o que permanece das construções atesta a escala do fracasso deste empreendimento neo-colonialista que durou menos de uma década. Actualmente, a Fordlândia é um espaço suspenso; suspenso entre tempos (séculos XX e XXI), entre utopia e distopia, entre visibilidade e invisibilidade: construções arquitectónicas de aço, vidro e alvenaria ainda permanecem em uso enquanto vestígios da vida autóctone não deixaram qualquer marca no solo. Embora Fordlândia seja conhecida devido ao curto período Fordiano, não se pode esquecer a história anterior e posterior a estes anos. Dando voz aos habitantes que, rejeitando o rótulo de cidade-fantasma, reclamam o direito de escrever a sua própria história, Fordlandia Malaise combina imagens de arquivo, filmagens de drone, testemunhos, contos e narrativas, mitos e canções.

POR | 2019 | 41’ | DOC

Apiyemiyekî?

de Ana Vaz

Apiyemiyekî? é um retrato cinematográfico que parte do arquivo de Egydio Schwade, educador brasileiro e militante pelos direitos dos povos indígenas – Casa da Cultura de Urubuí, localizado na sua casa em Presidente Figueiredo (Amazonas), onde atualmente são conservados mais de 3.000 desenhos feitos pelos Waimiri-Atroari, um povo nativo da Amazónia brasileira, durante a sua primeira experiência de alfabetização. Com base na pedagogia crítica do educador e filósofo brasileiro Paulo Freire, os desenhos tornaram-se num dos primeiros métodos de troca e produção recíproca de conhecimento. Durante os exercícios de alfabetização, a questão levantada com maior frequência pelos Waimiri-Atroari foi: por que razão Kamña (“o civilizado”) matou Kiña (Waimiri-Atraori)? Apiyemiyekî? (Porquê?).

Brasil/França/Portugal/Holanda | 2019 | 28’ | DOC

Nausicaä do Vale do Vento

de Hayao Miyazaki

Num futuro longínquo, após uma guerra apocalíptica ter devastado o ecossistema terrestre, os poucos humanos sobreviventes vivem dispersos, em oásis ecológicos no meio de um mundo que se transformou numa “selva tóxica”. Nausicaä vive no árido Vale dos Ventos e é capaz de comunicar com os os insectos gigantes que vivem na perigosa selva. Sob a orientação de um guerreiro veterano, Lord Yupa, Nausicaä embarca numa jornada para trazer paz ao planeta devastado.

Japão | 1984 | 117’ | FIC

MUHNAC

O MUHNAC/Museus da Universidade de Lisboa tem como missão promover a curiosidade e a compreensão pública sobre a natureza e a ciência, aproximando a Universidade à Sociedade. Essa missão é atingida através da valorização das suas coleções e do património universitário, da investigação, da realização de exposições, conferências e outras ações de carácter científico, educativo, cultural e de lazer.

Os Museus são uma Unidade Especializada da Universidade de Lisboa, constituída pelo MUHNAC – Museu Nacional de História Natural e da Ciência (na Rua da Escola Politécnica) na zona do Príncipe Real, integrando o Jardim Botânico de Lisboa (no mesmo local) e o Observatório Astronómico de Lisboa (na Tapada da Ajuda, junto ao Instituto Superior de Agronomia)

mais detalhes